Loading...

Vamos nos unir para o reconhecimento da Profissão do Psicopedagogo

Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 5 de maio de 2010

AS CONTRIBUIÇÕES DA PSICANÁLISE PARA A PSICOPEDAGOGIA

O objetivo central deste trabalho é mostrar as contribuições da Psicanálise para a Psicopedagogia no âmbito da dificuldade e/ou problema de aprendizagem, uma vez que não pode ser tratado apenas como um problema psicomotor, social, emocional ou cognitivo de aprendizagem. O psicopedagogo precisa se acerca dos conhecimentos da Psicanálise, conhecendo a sua história e ação, assumindo assim uma postura interdisciplinar.

O papel da Psicopedagogia é resgatar o desejo do aprender, é ai que entrar a contribuição da Psicanálise, uma vez que tal área estuda o desejo inconsciente do sujeito. Neste sentido o ato de aprende é movido pelo desejo. Tal desejo se encontra no inconsciente, pois, no momento do aprender vai responder as questões libidinadas.

O sujeito não libidinizado é alguém marcado pela falta de desejo, desejo de não aprender. Aprender é um ato desejante e sua negação é o não aprender. Tal desejo é movido pelo inconsciente, que nesse momento de aprender ou não aprender responde às informações libidinadas (negação, omissão, recusa, rejeição, etc.) percebidas nas primeiras relações maternas ou, mais especificamente na fase da construção do ego (COSTA, 2001).

Segundo Freud, a formação psíquica do sujeito é realizada na infância, por meio de experiências narcísicas (amor a si próprio) e edípicas (rivalidade). A aprendizagem escolar depende de como o aprendiz passou por essas experiências, já supracitadas, ou seja, o sujeito necessita construir uma imagem de si. Tal imagem poderá ser positiva ou negativa, sendo negativa, o sujeito encontrará dificuldades para aprender a ler e escrever.

Podemos dizer que para Freud, “a mola propulsora do desenvolvimento intelectual é sexual” (KUPFER, 2000), ou seja, a inteligência encontra apoio em restos sexuais. O ato de aprender para psicanálise é uma relação com outra pessoa que ensina, no sentido de aprender com alguém e não sozinha. Para tanto,

É preciso que haja um professor para que esse aprendizado se realize. Ora, nem sempre esse encontro é feliz. Então ‘o que é aprender?’ supõe, para a psicanálise, a presença de um professor, colocado numa determinada posição, que pode ou não propiciar aprendizagem (KUPFER, 2000).

Conforme Fernández (1990) o psicopedagogo “não pode deixar de observar o que sucede entre a inteligência e os desejos inconscientes” uma vez que se trata da problemática de aprendizagem. Vale ressaltar, que a psicopedagogia trabalha com a modalidade de aprendizagem. Para Fernández (1994) a modalidade de aprendizagem é um vínculo de uma relação entre dois personagens: o ensinante e o aprendente existente em toda a história de vida do sujeito. Vale salientar que tal modalidade é construída desde as primeiras experiências corporais, entre uma mãe nutriente de alimento e um bebê que necessita deste alimento. Tal alimento deve ser oferecido de acordo com as necessidades do corpo do bebê. Para Fernández, afirma que ao falar de

[...] uma mãe nutriente, [...] [está] falando de uma ‘mãe vigorizante’ (Dolto); portanto, não [...] [está] mencionando um lugar subsidiário, mas de atividade, que pouco tem a ver com a suposta passividade que, a partir de alguns psicanalistas, inclusive Freud, pretende-se inerente à feminilidade. Quando [...] [diz] um bebê necessitado tampouco [...] [está] se referindo a um bebê passivo, mas provido de uma atividade diferente e complementar à mãe (FERNÁNDEZ, 1994, p.60).

Então, podemos entender que a alimentação possui uma fonte somática no que se refere à modalidade de aprendizagem e às questões do inconsciente do aprendente. A aprendizagem necessita de um investimento de conhecimento na medida em que “o desejo de ascender ao conhecimento instala-se sobre este primeiro investimento do outro como ensinante, e, segundo as vicissitudes desse investimento, serão as possibilidades de construir uma ou outra modalidade de aprendizagem” (FERNÁNDEZ, 1994, p. 67), no sentido de estar favorecendo o desejo de conhecer e pensar algo.

O ensinante precisa passar por experiências de um prazer corporal (intelectual e desejante) frente a sua identidade, para que o aprendente possa estabelecer uma conexão com sua máquina desejante-imaginativa-pensante. Se não há uma experiência prazerosa pela via corporal e de comunicação de autoria própria, o aprendente não receberá o conhecimento que necessita, uma vez que a via plausível para uma aprendizagem salutar, seria conceder as possibilidades ao sujeito para assimilar e reconstruir o conhecimento que lhe foi comunicado.

A grande importância da psicanálise (afetiva) para a psicopedagogia (aprendizagem) é conhecer como a criança sente e não apenas como pensa, neste sentido, o professor compreenderá melhor as suas reações e poderá ajudar direcionando a energia da pulsão para fins educacionais, como o prazer da pesquisa e da leitura, ou seja, despertar o gosto de conhecer coisas novas. (LEITÃO, 1997).

O foco da psicanálise é na relação afetiva entre professor e aluno. Relação essa que estabelece as condições para aprendizagem, independentemente de conteúdos. É ai que surge a transferência, conceito muito utilizado pela psicanálise. Transferência significa as manifestações do inconsciente, no sentido de está deslocando algo da experiência primitiva (vividas com os pais) da pessoa para outra pessoa. “Na relação professor-aluno, a transferência se produz quando o desejo de saber do aluno se aferra a um elemento particular, que é a pessoa do professor. (...) Transferir é então atribuir um sentido especial àquela figura determinada pelo desejo” (KUPFER, 2000).

O papel do psicopedagogo, com enfoque psicanalítico clinico é propor para o sujeito a realização de tarefas e, conseqüentemente, acompanhá-lo na execução no sentido de está atento as diferentes reações (lapsos, hesitações, bloqueios, sentimentos, angustias, repetições etc.). Então, na intervenção psicopedagógica é preciso levar o sujeito há ter um contato com reações desconhecidas (BARONE, 1998, p. 22).

A psicanálise possui um método Ramain-Thiers para se trabalhar na clinica psicopedagógica. Tal método propociona o surgimento do inconsciente, ou seja, o psicopedagogo “não ensina, ele permite que o erro apareça, que surja a falta, condição necessária para que nasça o desejo de aprender” (BARONE, 1998, p. 25). Com tal método o ser humano passa a ser visto em sua dimensão cognitiva, social, psicomotora e emocional. O foco desse método é a interiorização e atenção, trabalhando a criatividade, a autonomia e atitudes, atendendo uma faixa etária a partir de 3 anos, trabalhando numa perspectiva de reelaboração dos conflitos, angústias, transferências, resistências, recalque, outras. O objetivo é trabalhar o psicomotor de forma projetiva (através de vivências), contendo as atividades de cortar, copiar, encaixar, entre outras, bem como o movimento do desenvolvimento dos estágios psicossexuais (oral, anal e fálico) caracterizando uma abordagem sociopsicanalítica. O interessante que o método trabalha com a questão do erro como algo de reparação por meio do lápis de cor e durex, permitido a cada erro cometido trocar pelo lápis ou reconstruir com o durex (COSTA, 2005).

Portanto, a Psicanálise é de suma importância para a Psicopedagogia, uma vez, que ambas servirão de base para fazer com quer o sujeito se descubra enquanto sujeito de desejo de aprender, no sentido, de olhar para o sujeito não apenas como um sujeito pensante, mais também um sujeito de sentimentos e emoções. O sujeito deve ser tratado para alcançar o objetivo de aprender, pois os fatores biológicos, emocional, cognitivo e motor estarão sempre presente no processo do não aprender, seja qual for a sua classificação. O papel do psicopedagogo é resgatar o desejo de aprender, eliminando os possíveis entraves e a Psicanálise contribuirá na medida em que irá fazer com que o sujeito traga a tona os seus desejos inconscientes desconhecidos e, possivelmente, poderá compreender melhor a si mesmo.

REFERÊNCIAS

BARONE, Leda Maria Cadeço. De ler o desejo ao desejo de ler. Petrópolis: Vozes, 1998.

COSTA. Auredite Cardoso. Psicopedagogia e Psicomotricidade: pontos de intersecção nas dificuldades de aprendizagem. 4 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

FERNÁNDEZ, Alicia. A mulher escondida na professora: uma leitura psicopedagógica do ser mulher, da corporalidade e da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1994.

______. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artmed, 1990.

KUPFER, Maria Cristina Machado. Fred e a Educação: o mestre do impossível. São Paulo: Scipione, 2000.

LEITÃO, Heliane; ALMEIDA, Leda. Piaget e Freud: um encontro possível? Maceió: Edufal, 1997.

OLIVEIRA, Vera Barros; BOSSA, Nádia Aparecida (org). Avaliação Psicopedagogica da criança de 0 a 6 anos. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

______. Avaliação Psicopedagogica do Adolescente. Rio de Janeiro: Vozes, 1998

Nenhum comentário:

Postar um comentário